24 de julho de 2009

Por Silmara Franco


Faz de conta: você acordou, ligou para o salão e marcou um horário. Na hora do almoço, foi lá e pediu: Corta bem curto. O cabeleireiro não acreditou no que ouvia. Afinal, seus quase cinquenta centímetros de cabelo sempre foram, na sua cabeça (literalmente), uma espécie de atestado da sua feminilidade. Mas agora eles teriam de ser curtos. Para que suas ideias ficassem longas. Ele colocou a mão um pouco abaixo do seu ombro: Mais ou menos aqui? Você segurou a mão dele, levou-a na altura da sua orelha, e disse: Tosa.

Depois você passou naquela loja onde tem uns vestidos moderninhos e coloridos. Você entrou e pediu aquele cor de laranja com borboletas, muito mais curto do que os que você costuma usar. Aproveitou e pediu a sapatilha da vitrine. Arrancou o seu terninho bege, sua camisa branca e seu escarpim marrom. Deixou tudo por lá mesmo, no provador. E quando a vendedora perguntou o que fazer com aquilo, você disse: Queima.

Quando você retornou ao trabalho, uma hora depois do horário de costume, com aquele vestidinho e com os cabelos daquele jeito, a roda em torno de você foi se formando. Uns, animadíssimos. Outros, nem tanto. Alguns reprovaram. Como as coisas já não andavam muito bem por ali, sua chefe lhe chamou no final do dia para conversar, e avisou que as coisas não poderiam continuar daquele jeito, ou ela teria que substituir você. E você disse: Substitui.

Saindo de lá deu vontade de jantar naquele bistrô aonde você acha que só deveria ir no dia do seu aniversário ou outra data importante. Você mal encostou seu carro e já veio o dono da rua, dizendo que eram dez pratas para parar ali. E, como você não deu bola, o homem começou aquela conversinha surrada dizendo, na entrelinha da entrelinha, que um eventual não-pagamento antecipado incorreria em riscos indesejáveis na pintura do seu bólido. Você pegou o celular, digitou três números, mostrou o visor para o homem e, já com o dedo na tecla “ligar”, disse: Risca.

Faz de conta que você chegou em casa e sua filha de dezessete anos estava na sala com o namorado. Você teve que contar de novo a história daquele vestido e daquele cabelo e, como chovia, sua filha sondou se o rapaz poderia dormir ali. E, enquanto jogava no lixo aquela agendinha que você só usava no trabalho, você disse: Pode.

Quando se deitou para dormir, aquele anjo que costuma vir conversar com você antes do sono se empoleirou na cabeceira da sua cama. Elogiou o cabelo, o vestido, a decisão no trabalho, o presente de não-aniversário, o chega-pra-lá no dono da rua, a atitude com a filha. Só por curiosidade, perguntou que bicho havia mordido você. E você, se ajeitando no travesseiro e já desligando o abajur, disse: Nenhum.

No dia seguinte, vendo que eram dez da manhã e você ainda não havia se levantado, sua filha entrou no quarto, vocês conversaram e no final ela perguntou como é que vocês viveriam dali para frente. Com certa ironia, ela arriscou dizer que com as bolsas e os badulaques que você produzia e vendia nos finais de semana é que não seria. E você disse: Sim.

À tarde, você procurou o dono daquele galpão que você havia visto para alugar, perfeito para uma oficina, e fez uma oferta. O homem coçou a cabeça, pediu um pouquinho mais, e você disse: Fechado.

À noitinha, você foi até a casa dos seus avós, assim, de surpresa. E, de surpresa, você os beijou. E quando eles perguntaram o que era aquilo, você disse: Amor.

Faz de conta que foi assim. Faz de conta que foi desse jeito que você virou a mesa. Que resolveu não perder mais tempo, fazer o que gosta e ser do jeito que você, só você, acha que fica mais bonita.

Faz de conta que você morreu. E que alguém lhe deu a oportunidade de voltar para um terceiro tempo.

Então. Agora vai lá e faz tudo de verdade.

Autora: Silmara Franco. Aqui!

.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.

Meninas,

Vi este texto hoje na internet e resolvi reproduzi-lo aqui, pois ele é a minha cara hoje.

Atitude!

Hoje tive muita atitude (e muito medo) de me pesar, pois sabia que a Dona Balança ia me mostrar más notícias: 75,1kg.

Engordei 1,8kg em, uau, 18 dias. 100g por dia. Olha o estrago...

Pois é! Orgias alimentares, salgadinhos (daqueles de festa) quase todo dia. Não pode!

Mas, quem me conhece sabe o rumo que gosto de dar às coisas. Hoje eu acordei, fiz 15 minutos de esteira (só, mas é o que tá dando pra fazer) e 3 sessões de 20 abdominais. Aos pouquinhos mesmo. Fazer exercício de braço não deu muito certo, a tendinite no pulso deu sinal de vida.

Hoje mesmo vou fazer uma lista de compras com Achilles para irmos no mercado amanhã, porque não tem naaaada em casa. Como eu disse pra ele, quero recheiar a casa de frutas e tomates, que assim eu fico feliz em casa.

Temos feito vergonhas orgias alimentares. Até ele deu uma engordada.

Tenho até comido direitinho no almoço, e pela manhã, mantido os lanchinhos, mas à noite é que peco mesmo. Essa semana até tive uma compulsão forte. Comi os salgadinhos no caminho pra casa, tomei sopa quando cheguei, depois fiz uma saladinha de tomate com cebola enquanto conversava com minhas hóspedes. Aí elas fizeram café e eu tomei um copão de café com leite e avoador (biscoito de polvilho da Bahia). Arrematei com um cachinho pequeno de uvas. É mole?

Será que é a sibutramina? A última vez que me pesei, no dia 06/07, eu tinha parado de tomar a sibutramina. Eu achei que ela não tava mais fazendo efeito, mas será que tava? 100g por dia?

Tá fooooogo!

Não sei o que pensar, mas sei exatamente o que fazer:

1 - Continuar os exercícios, mesmo que poucos.

2 - Pedalar (ganhei uma bicicleta do maridão).

3 - Programar semanalmente a alimentação.

4 - Aguardar ansiosamente o retorno às aulas, que me deixa com menos tempo de bobeira pra comer.

Mudando de assunto, estive no último fim de semana com Achilles em Búzios e Região dos Lagos.

Mirante

Praia da Foca

Praia do Forte (Cabo Frio)

No mais, estou fazendo mil coisas, com mil projetos. Empolgadíssima! Coisas acontecendo.

Sabe quando você quer fazer mil coisas? Todas boas, legais, empolgantes, difíceis, desafiadoras?

Cruzem os dedos pra mim. Em breve devo ter novidades!

Beijocas!

8 comentários:

Beth disse...

Clara, primeiramente obrigada pela força, pelo apoio nesta hora tão difícil para mim.
Em segundo luga: adorei este texto que você trouxe para o blog, é inspirador. Quem não deseja um dia dar uma virada destas?
E para concluir: cuide-se sim. Todos temos nossas fases de 'deixa rolar', mas isto tem preço e a conta chega. E ela vem alta, a gente tem que parcelar para pagar, o que em poucos dias a gente adquire às vezes leva semanas para sair. Mas sai, se houver determinação, disciplina, vontade forte e atitude. Mete bronca.
Sobre o remédio, pense bem no que houve. Pelo visto, ele estava sendo o principal no seu processo e não o coadjuvante, isto nao é legal. Não seja refém de algo, o comando tem que ser seu e não do medicamento. A idéia era usá-lo como auda, não era? Se mal parou por uns dias já se perdeu tanto, pense nisto paa ajustar também o padrão de pensamento e automaticamente a atitude tá?
Beijo
Beth
http://aconquista.zip.net

Cacau disse...

Oi Clarinha..amei o texto viu...Ja dei muitas viradas na vida e recomendo..eh OTEMO! Quanto ao fato de vc ter engordado...vc parou de tomar sibutramina por conta propria? O ideal eh ir parando aos poucos pra que seu organismo se acostume a viver sem o remedio. Parar de uma hora pra outra da mesmo um efeito REBOTE q te causa uma fome de leao. Volte no seu medico e converse com ele..eh o melhor a fazer..e quanto aos kgs engordados...devolve amiga..corre atras do preju. Beijos!

Geórgea disse...

Caraca, menina que texto lindoooo!!!! Li e fiquei admirada comigo mesma, pois eu queria tanto, tanto poder tomar essa atitude... Mudar assim, tudo, uma reviravolta completa... Mas como no texto, a pessoa mudou na hora que ela tinha de mudar, então vou confiar que a minha há de chegar. Precisamor estar preparadas e completamente conscientes do que queremos vivenciar e de poder peitar as atitudes que tomamos. Já somos macacas véias(como me disse Taty Carioca sexta) e sabemos que os remédios não nos emagrecem, quem emagrece mesmo é a nossa cabecinha. Então vamo botar a cabeça p/ funcionar. Aproveite essa fase mutante sua e manda ver, tá ?? Ah, e se vc tiver a graça de encotrar Beth por eses dias dê um abraço bem apertado nela por mim, tá ?? E diga a ela o quanto eu queria poder dar essa abraço...
Agora, menina, que músicas lindas(cant´you hear the thunder? I come from the land down under...) ?? em seu blog! AMEI !!! Beijooocas

Geórgea disse...

Ei, as musicas são do teu blog não, né ??? Oh, eu lezada, viu ??? kakakakaka... Bjs

Carol Bernardo disse...

Oiee,
Adorei o texto!!! Mto bom!
Qto ao emgrecimento, não estou em uma boa fase p/ te dar conselhos sobre isso, engordei, fiquei menstruada hj... Mas essa semana vou me matricular na academia... Alguma diferença deverá acontecer... Pq estou comendo tudo! Tá foda!!!
Sudade!
Ah, tô de férias, por isso não tenho escrito nem entrado nos blogs q frequento.
Bjs

Giovana disse...

Olá, primeira vez q passo pelo sseu blog e adorei.
Esse texto então é maravilhoso.
Qdo puder faz uma visitinha p mim.
Ahh vo te segui...rs...bjs!!

kel disse...

Xuxuuuu jogue duro!!! Ta ficando seria mulher, tem que continuar caprichando! Mas convenhamos que dar uma relaxadinha de vez em quando faz parte ne?! ehehehhe
Quanto ao texto, nós duas sabemos bem o que ele significa né? Um da ainda faço isso! Cortar o cabelo? não, acho que não! Mas boto um vestido vermelho bem ripongo, vou comer sushi no Soho, chocolate de sobremesa e depois abro uma pousadinha na praia onde vou fazer minhas traduções literárias por puro prazer! :P aiai!!! è bom pensar nisso! :)
Boa sorte e sucesso pra nós! ;*

Ana Maria disse...

Oii Clara!
Que texto lindo! Muito bom para pensar e aproveitar melhor o nosso tempo, fazendo pelo menos parte do que queremos. Muito bom mesmo!

Lindas as fotos! Que lugar maravilhoso! Ainda quero voltar lá!